Gramatikero: Kunmetitaj Vortoj

Vizitu: http://gramatikero.blogspot.com.br/

 
 
Imagem inline 1
 
 

KUNMETITAJ VORTOJ

Em Esperanto podem se formar palavras pela justaposição de duas palavras, ou pelo menos, suas raízes, com a terminação própria de sua função gramatical. Ex:

klasĉambro  =          klas       + ĉambr    +   o

(sala de aula)         (radical)     (radical)   (terminação)

legolibro=                leg         + libr         +   o

(livro de leitura)      (radical)     (radical)    (terminação)

bushaltejo=           bus         + halt       + ej        + o

(parada de ônibus)  (radical)    (radical)   (sufixo)     (terminação)

Notas:

1)Às vezes se utiliza o recurso de separar os radicais, que constituem uma palavra composta, por intermédio de hífen, a fim de evidenciar os elementos que contribuem para sua formação:

fer-vojo /fervojo (ferrovia)

spad-fiŝo /spadfiŝo (peixe-espada)

2) É preciso ressaltar que, ao se traduzir uma palavra composta, deve-se começar a tradução pelo radical, que está no final pois ele exprime a ideia principal, ficando o primeiro radical como uma espécie de qualificativo do segundo. Exemplo:

suker-kano / sukerkano (cana de açúcar)

kan-sukero / kansukero (açúcar de cana)

3) Quando a clareza e a eufonia (= boa pronúncia) o permitam, pode omitir-se a terminação do elemento acessório, como, p. ex.: kapdoloro (dor de cabeça), em vez de kapodoloro; kelkfoje (algumas vezes), em vez de kelkafoje; velŝipo (navio de vela), em lugar de veloŝipo. Caso contrário, não convém ou não é permitido fazê-lo, p. ex: dentodoloro (dor de dente), akvofalo (queda d’água), etc. porque dentdoloro e akvfalo seriam difíceis de pronunciar e não seriam claros ao ouvido; posteulo (descendente), indivíduo (= ulo) que vem, ou vive, depois de outrem (= poste), porque postulo significa “exigência”. Ununaskita e unuanaskita: a primeira quer dizer que é um só (unu) nascido, unigênito; a outra exprime; que nasceu primeiro (unua), primogênito.

4) Na acentuação, as palavras são sempre paroxítonas, mas se desenvolveu no Esperanto falado o costume de dar um acento intermediário enfático nos radicais que formam a palavra combinada para que os ouvintes compreendam a origem da palavra e facilitando assim a compreensão.

Por exemplo, em Esperanto, falamos “dát-re-ve-no” e não “da-tre-vé-no”.