Biblioteca de Paulo Amorim Cardoso: Digitalizada

Prof. Paulo Amorim Cardoso
Prof. Paulo Amorim Cardoso

Já se encontra à disposição para consulta pública, na Biblioteca de Ciências Humanas da UFC, no Campus do Benfica, e pela Internet, a Coleção Paulo Amorim Cardoso, constituída de 350 livros e periódicos em papel e digitalizados em e sobre o Esperanto. A iniciativa homenageia o trabalho do fundador do Curso de Esperanto da UFC, que em 2015 completa 50 anos. Trata-se de coleção única dentre as universidades brasileiras, com exemplares raros que remontam ao fim do século XIX.

Segundo o Prof. José Leite, do Departamento de Literatura e do Curso de Esperanto da UFC, o número de obras da Coleção deve aumentar, pois o trabalho de catalogação e de digitalização ainda não terminou. Conforme Leite, o exemplar mais raro do acervo data de 1896, o português A língua universal esperanto: methodo completo comprehendendo dois vocabulários, segundo a edição franceza, de Louis de Beaufront e Manoel Ribeiro da Costa e Almeida. Trata-se de um “incunábulo”, termo usado para as obras publicadas na fase inicial do esperanto, que vai do primeiro livro (Lingvo Internacia de Doktoro Esperanto, em russo, de 1887) até o I Congresso Internacional, ocorrido em Boulogne-sur-Mer, na França, em 1905.


A Coleção Paulo Amorim Cardoso também possui “muitos outros livros cujos autores e tradutores fazem parte dos primeiros passos da história do esperanto”, explica Leite. Alguns deles foram executados em campos de concentração nazistas, como Lidja Zamenhof, filha caçula do iniciador do esperanto (Lazaro Zamenhof), morta no campo de Treblinka, na Polônia, em 1942. Ela traduziu Quo vadis, do polonês Henryk Sienkiewicz, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1905.
O Prof. José Leite conta que somente na Europa é possível encontrar coleções significativas de obras em esperanto, “mas não necessariamente em universidades”, como no Museu Nacional da Áustria (Esperantomuzeo kaj Kolekto por Planlingvoj), na biblioteca La Chaux-de-Fonds, na Suíça, e na biblioteca da Associação Germânica de Esperanto, em Aalen, na Alemanha. “No 43º Congresso Brasileiro de Esperanto, ocorrido aqui mesmo na UFC, em 2008, organizei uma exposição de obras raras do acervo. E vejo que houve sensibilização da administração da Biblioteca Universitária, particularmente do Prof. Jonatan Soares, diretor, e da Profª Elizabeth Maia, diretora da Biblioteca de Ciências Humanas. Além disso, houve a zelosa coordenação da bibliotecária Josineide Góis”, explica o Prof. José Leite sobre a criação da Coleção Paulo Amorim Cardoso.
Guardados os direitos autorais, a consulta das obras do acervo é livre. Obras da década de 1930 para trás, por exemplo, podem ser acessadas de qualquer lugar do mundo, através da Internet. Basta digitar “esperanto” naplataforma Pergamum e aparecerão os títulos da Coleção.
Fonte: Prof. José Leite Júnior, do Departamento de Literatura e do Curso de Esperanto da UFC – fone: 85 3366 7617